CONHEÇA A ‘OGO’, A INCRÍVEL CADEIRA DE RODAS MOVIDA COM O BALANÇO DO CORPO

CONHEÇA A ‘OGO’, A INCRÍVEL CADEIRA DE RODAS MOVIDA COM O BALANÇO DO CORPO

Mais uma invenção fantástica que promete mudar radicalmente nosso conceito de cadeira de rodas, a OGO, traz uma nova forma de se movimentar através de uma base do famoso Segway.

SEGWAY

o que é segway.

A Ogo é uma cadeira de rodas que chama a atenção por contar com um controle que dispensa o uso das mãos para o deslocamento do usuário. Basta que o usuário desloque o seu peso para o lado que quer ir, e a cadeira vai se mover nessa direção, oferecendo uma maior liberdade de movimento e interação com o ambiente.

A necessidade de colocar os deficientes em melhores condições para conviver com o ambiente externo foi o ponto de partida para o desenvolvimento desse projeto. Além do movimento do corpo, a Ogo pode ser controlada por um joystick, para uma maior precisão, além de duas asas laterais, para que as pessoas que não contam com controle abdominal possam se inclinar nas laterais para controle de deslocamento. A cadeira tem um freio de mão, para que o usuário possa se inclinar sem medo, evitando movimentos indesejados.

A Ogo tem inclinação de 30 graus, que é mantido quando se está subindo ou descendo as costas, sem afetar o sistema de controle. Também pode se deslocar em velocidade maior, e sua bateria de lítio possui autonomia de 40 quilômetros, o que deve dar para um dia de uso.

<iframe width=”760″ height=”427″ src=”https://www.youtube.com/embed/ulIMFFkO848″ frameborder=”0″ allowfullscreen></iframe>

Kevin Halsall reside na cidade de Otaki, na Nova Zelândia, onde trabalha como designer de produtos feitos de plástico e é inventor nas horas vagas. Seu amigo, Marcus Thompson, é paraplégico. Na primeira vez que Kevin subiu em um Segway, um diciclo que se move a partir da movimentação do centro de gravidade do veículo, tudo em que conseguiu pensar foi em como adaptar aquilo para facilitar a vida de Marcus.

OGO

A primeira etapa de seu projeto foi parafusar um banco em um Segway que tinha tomado emprestado, mas o resultado ainda não era satisfatório. O controle e a sensibilidade do meio de transporte precisavam ser mais refinados. Isso levou o designer a comprar seu próprio Segway, que custou US$ 14 mil (aprox. RS 44 mil) para poder desmontá-lo por completo.

O resultado de suas ideias e de sua persistência foi a Ogo, uma cadeira de rodas que pode ser controlada sem o auxílio das mãos e que manteve apenas as estruturas mais básicas de um Segway. Isso a tornou mais responsiva ao modo como o condutor move o tronco para mudar de direção, acelerar ou frear. A versão atual é a terceira desenvolvida por Kevin, e a única existente.

Kevin Halsall demonstra a mobilidade de sua invenção – Imagem: Stuff

Feita de fibra de vidro, a Ogo pode alcançar a velocidade máxima de 20 km/h e tem uma autonomia média de 30 km antes de precisar que suas baterias sejam recarregadas, além de rodas auxiliares que ajudam na travessia de terrenos acidentados e “off-road”. Marcus, o amigo paraplégico do inventor, experimentou a cadeira para cortar a grama de seu jardim e se deslocar até a Faculdade de Otaki, onde trabalha como professor. Sua reação positiva era o que Kevin precisava para saber que sua ideia estava no caminho certo.

Ogo-01

Segundo o inventor neozelandês, com apenas mais alguns ajustes, a Ogo estará pronta para ser comercializada globalmente, mas primeiro ele busca por investidores que banquem o alto custo de produção – cerca de US$ 18 mil (aprox. R$ 56,4 mil) –, uma vez que para cada cadeira construída, é necessário uma unidade Segway como base. Além disso, é necessário alguém que entenda de comercialização e gerenciamento para tocar o negócio enquanto o designer se preocupa apenas em produzir e aperfeiçoar seu invento.

Curiosamente, o Segway surgiu a partir de uma ideia de cadeira de rodas motorizada que era capaz até mesmo de subir escadas e andar em terrenos arenosos, chamado de iBOT. Ela foi descontinuada em 2011, mas Dean Kamen, americano criador da cadeira e do diciclo, afirmou no ano passado que graças à mudança de classificação do iBOT pelos órgãos de controle do governo estadunidense, o projeto deve ser reativado em breve.

Fontes:

http://ogotechnology.com/

www.oeduardomoreira.com.br

Tecmundo

Felipe Ramon

Amo Tecnologia. Atuo na Area de Programação, Designer Gráfico, Web Designer e Técnico em Computadores. Trabalho na Loucurarte na Equipe de Apoio (Diretor de Midias Sociais)! #Conhecimento é Poder.

Postagens Relacionadas
Comentários